Como calcular o custo e o preço de venda de produtos e serviços

Saiba fazer calcular o custo e o preço de venda para definir o preço certo, fisgar a clientela e ter mais lucro no final do mês.

No Brasil, um grande número de pessoas tira seu sustento da prestação de serviços ou venda de produtos na vizinhança, em grupos de WhatsApp, no Instagram, Facebook ou em suas redes de relacionamentos. Outras, complementam a renda com essas atividades, realizadas de forma autônoma ou como microempreendedor individual. Uma dificuldade bastante comum entre quem faz isso é entender todos os custos envolvidos e calcular o preço certo para ter lucro e, ao mesmo tempo, fisgar a clientela. Se você faz parte desse grupo, confira as dicas que trazemos para você de como calcular o custo e o preço de vendas, para os produtos e serviços que irá vender!

 

Para começar: qual é a diferença entre custo e preço?

Um jeito simples de explicar: custo é aquela quantidade de dinheiro que você precisa tirar do bolso para ofertar o seu produto ou serviço. Se a sua área é a de confeitaria, o custo do bolo de leite em pó com morangos é a soma do que você pagou pelos ingredientes, mais o gás usado para assar, a energia usada durante o preparo, a embalagem que protege o bolo e o que é gasto para levar o produto até a casa do cliente, por exemplo. 

Já o preço é o valor que você cobra do cliente pelo produto e que deve ser superior ao do custo. A diferença entre o custo e o preço forma o lucro – aquele dinheiro que permite que você continue trabalhando, ganhando o necessário para viver ou realizar seus planos.  

Resumindo: o preço menos o custo é igual ao lucro. Continue lendo para entender, a partir de exemplos práticos, como fazer esta conta na venda tanto de produtos quanto de serviços. 

 

Como calcular custo e o preço de venda para um produto

Para calcular o custo do produto, é necessário fazer uma lista de tudo o que foi usado na produção daquele item, seja uma peça de roupa, uma colcha, um vaso ou alimento. Vamos usar como exemplo o mesmo bolo de leite em pó sobre o qual falamos acima. No quadro a seguir, listamos como ficaria o custo direto da preparação, considerando o preço dos ingredientes no mercado e a quantidade usada na receita.  

 

INGREDIENTES 

PREÇO NO MERCADO (R$) 

QUANTIDADE USADA NA RECEITA 

CUSTO POR UNIDADE (R$) 

 

 

 

 

Ovos 

R$ 8,50 (dúzia) 

6 ovos 

R$ 4,25 

Açúcar 

R$ 4,80 (kg) 

200 gramas 

R$ 0,96 

Farinha de trigo 

R$ 7 (kg) 

200 gramas 

R$ 1,40 

Manteiga 

R$ 8,30 (500g) 

50 gramas 

R$ 0,83 

Fermento 

R$ 3,15 (100g) 

20 gramas 

R$ 0,63 

Leite 

R$ 4 (litro) 

200mL 

R$ 0,80 

Leite condensado 

R$ 6,20 (395g) 

395 gramas 

R$ 6,20 

Leite em pó 

R$ 16 (400g) 

100 gramas 

R$ 4 

Creme de leite 

R$ 3,80 (200g) 

200 gramas 

R$ 3,80 

Chocolate branco 

R$ 9,50 (165g) 

165 gramas 

R$ 9,50 

Morango 

R$ 6 (250g) 

250 gramas 

R$ 6 

 

 

 

 

CUSTO DIRETO TOTAL 

 

 

R$ 38,37 

 

Além do custo direto, vamos considerar também aluguel, água, luz, gás, WiFi e o salário de uma funcionária. Vamos imaginar que o resultado dessa soma deu R$ 2.500,00 por mês. Dividindo esse valor pelo número de bolos que você costuma vender por mês; digamos que sejam 200 bolos, você vai ter o custo fixo por unidade: R$ 12,50. 

Portanto, o custo de um bolo de leite em pó será a soma do valor gasto nos ingredientes (R$ 38,37) mais gastos fixos (R$ 12,50), ou seja, R$ 44,62.  

 

Qual deve ser, então, o preço de venda e o lucro de um bolo?

Antes de fazer o preço, a dica é fazer uma boa pesquisa básica para descobrir quanto o produto custa em outras confeitarias, quanto você gostaria de lucrar com a venda e, também, ouvir potenciais compradores para saber quanto elas estariam dispostas a pagar por um bolo de leite em pó com morango de um quilo.  

Vamos imaginar que, depois dessa sondagem, você chegou à conclusão que pode cobrar R$ 65 pelo bolo inteiro (ou R$ 6,50 por fatia de 100 gramas). O seu lucro, será, então, de R$ 20,38 por bolo.

 

Como calcular o custo e o preço de venda de um serviço

Se você trabalha como cabeleireira, manicure, cuida de jardins ou é eletricista, por exemplo, o cálculo do custo do serviço é um pouco mais simples. Digamos que você quer se tornar um eletricista. É preciso considerar um investimento inicial médio de R$ 800 em um curso técnico e mais R$ 500 para adquirir as ferramentas necessárias. Ou seja, você vai desembolsar R$ 1.300 para entrar nesse mercado.  

Você pode estimar que, no decorrer do ano, conseguirá fazer 50 visitas em casas ou escritórios que precisam do seu serviço. No primeiro ano, é possível diluir os R$ 1.300 nestas 50 visitas, resultando em custo de R$ 26 por visita. É preciso considerar, ainda, o custo de seu deslocamento, seja transporte público ou gasolina. Digamos que esse gasto seja de R$ 15. 

Isso significa que o custo total de cada visita, pelo menos no primeiro ano de atuação, é de R$ 41. Considere isso na hora de fazer seu preço. A dica para produtos serve aqui também: busque fazer uma pesquisa na sua região, entre os concorrentes e futuros clientes.

. 

Como calcular o preço por hora

Muitos autônomos que atuam na área de serviços cobram por hora. Se você tem uma formação em marketing digital e consegue seu primeiro cliente – uma loja de autopeças para a qual irá trabalhar duas horas ao dia. Quanto cobrar? 

Pense no seu momento de carreira, formação, experiência e quanto gostaria de ganhar no mês. Para facilitar, imagine qual seria seu salário se estivesse trabalhando em uma empresa nessa mesma atividade. Se chegar à conclusão que ganharia R$ 4.000 por mês, faça as contas. 

R$ 4.000 divididos por 22 dias úteis, divididos por 8 horas ao dia é igual a R$ 22,72 por hora. Ou seja, como irá trabalhar duas horas por dia para este cliente, poderia cobrar R$ 181,81 por semana ou R$ 727,27 por mês. Esse é apenas um valor de referência. O ideal é incluir na conta, mínimo, o valor equivalente a um mês de férias e o décimo-terceiro salário. Aos poucos, vá fazendo os ajustes necessários. 

 

Qual é o meu valor?

Nesse exercício de descobrir o custo e definir o preço do seu produto ou serviço, existe um terceiro fator que precisa ser pensado: o valor. Esse conceito, muito pessoal e subjetivo, diz respeito ao quanto achamos que merecemos ganhar e como as pessoas percebem o valor de nosso trabalho. 

A noção de valor explica porque um cabeleireiro que domina as mesmas técnicas, tem a mesma formação e trabalha no mesmo bairro que um outro colega, às vezes, cobra até 50% a mais pelo corte de cabelo. Para pensar sobre seu valor, pergunta-se: 

  • Quanto eu mereço ganhar? Quanto investi em estudos e dedicação? 
  • Quais são os meus esforços para que meu trabalho tenha diferenciais? O que tenho de inovador? As pessoas percebem isso? 
  • O que eu ofereço de especial (incluindo habilidades e conhecimentos), que meus concorrentes não têm e nem oferecem? 

Este conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Renegocie as suas dívidas com a Recovery?  Clique aqui e consulte grátis o seu CPF.

Você também pode gostar
Como sair das dívidas: tire todas as suas dúvidas
Dívida prescreve? Estar inadimplente e ter restrição de crédito ... Leia mais ➜
cartão de crédito
Conseguir um cartão de crédito para negativado é possível ... Leia mais ➜