Como usar o 13º salário para formar uma reserva de emergência

Em novembro, os trabalhadores com carteira assinada costumam receber a primeira parcela do 13º salário. O benefício equivale a um mês de salário e deve ser pago em duas parcelas – a primeira, até 30 de novembro; a segunda, até 20 de dezembro, de acordo com a lei trabalhista. 

O dinheiro extra é sempre bem-vindo e, se for bem utilizado, pode ser o pontapé inicial para viver com mais tranquilidade. Por isso, que tal aproveitar a oportunidade para investir e transformar seu 13o. salário em um colchão para emergências? Com um pouco de planejamento e organização, é possível começar o ano respirando mais leve. Saiba como! 

 

Aproveite o 13º salário para sair das dívidas

Se você possui algum empréstimo ou financiamento, aproveite esse dinheiro para quitar ou antecipar parcelas com descontos e reduzir o pagamento de juros. Esse é o primeiro passo para viver com mais tranquilidade e ter crédito no mercado na hora que precisar. 

 Se tiver várias dívidas, a dica é priorizar as contas de consumo (água, energia, gás). Em seguida, vêm as dívidas que têm bens em garantia e as que possuem juros mais altos. Tem alguma dívida com a Recovery? Consulte seu CPF gratuitamentee renegocie com a gente! 

Depois disso, ou para quem não possui dívidas em aberto, é hora de aproveitar o dinheiro extra para fazer um “pé de meia”, ou seja, uma reserva para segurar as pontas em caso de perda de emprego, doença na família ou outras necessidades ou imprevistos. 

 

Por que é importante ter uma reserva de emergência?

Como o nome já sugere, a reserva de emergência é um valor que guardamos para situações inesperadas, como a necessidade de mudar de casa, perda do emprego,doença, acidentes ou qualquer outro imprevisto que pode acontecer na vida de qualquer pessoa. Assim, é possível enfrentá-los com mais tranquilidade, sem a necessidade de entrar no cheque especial, rotativo do cartão ou contratar empréstimos no susto. 

A reserva de emergência não é construída de um dia para o outro. Precisamos criar o hábito de poupar regularmente,guardando todo mês um pouco do dinheiro que recebemos. Quando isso não é possível, uma boa medida é destinar o 13º salário para essa finalidade. Para isso, assim que o 13º entrar na conta, transfira o dinheiro para uma aplicação financeira.Veja as dicas a seguir.  

 

Onde aplicar o 13º salário para criar um colchão para emergências

Está pensando em investir o 13º salário para começar a criar sua reserva de emergências? Maravilha, você está no caminho certo. Aqui vão algumas dicas:  

  • Procure um investimento de alta liquidez, ou seja, que permita acessar o dinheiro rapidamente, na hora que precisar.  
  • Opte por aplicações de baixo risco, que mesmo que elas prometam uma rentabilidade menor. 
  • Aproveite o momento, em que as taxas de jurosestão elevadas, e conheça outras aplicações de renda fixa que vão além da poupança.  

Com isso em mente, é possível escolher o melhor lugar para investir o seu 13º salário e começar a poupar. Para ajudar você nessa tarefa, elencamos alguns tipos de aplicações de renda fixaque são adequadas à reserva de emergência. 

 

Tesouro Selic 

O Tesouro Selic é um título público federal com rendimento atrelado à taxa básica de juros, também chamada de Taxa Selic. Os títulos do Tesouro Direto são considerados um dos investimentos mais seguros do Brasil. O Tesouro Selic tem liquidez diária – ou seja, você pode retirar o seu dinheiro a qualquer momento, sem precisar esperar seu vencimento, e, em um dia útil, ele cai na sua conta sem perder o rendimento conquistado até então. Acesse o site do Tesouro Diretoe faça simulações para saber quanto irá receber ao investir. 

 

CDB com liquidez diária

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é uma outra opção segura de investimento, bastante indicado para criar uma reserva de emergência. Ele é emitido por bancos e tem sua rentabilidade atrelada ao CDI, a taxa de juros interbancária. Assim como no Tesouro Selic, sua liquidez é diária. Esse investimento é interessante porque é protegido pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

 

Fundos de renda fixa com rentabilidade diária (DI)

Os fundos de renda fixa DI são compostos por diversos títulos públicos e privados. Eles também contam com liquidez diária e possuem rentabilidade atrelada à Taxa Selic e ao CDI. Os Fundos DI contam com um gestor profissional que seleciona os títulos e administra a carteira buscando aumentar a rentabilidade.  

Ao escolher um fundo, procure uma instituição financeira sólida e confiável, já que os fundos não são protegidos pelo FGC. Uma boa dica é fugir de promessas de rentabilidade milagrosas. Os investimentos de renda fixa são conservadores e têm seu rendimento atrelado a taxas que costumam ter uma pequena variação. Em geral, pagam um pouco acima da inflação, mantendo o valor do dinheiro e trazendo um adicional a mais. 

Agora que você já sabe por onde começar, é possível criar sua reserva de emergência e viver com mais tranquilidade! E, se tiver alguma dívida sob nossa gestão, entre em contato e renegocie.Estamos aqui para transformar suas dívidas em recomeço. 

 

 

Você também pode gostar
Como sair das dívidas: tire todas as suas dúvidas
Dívida prescreve? Estar inadimplente e ter restrição de crédito ... Leia mais ➜
cartão de crédito
Conseguir um cartão de crédito para negativado é possível ... Leia mais ➜