Auxílio Brasil: entenda qual o valor do novo Bolsa Família

O Auxílio Brasil é o novo programa do Governo Federal que, por Medida Provisória, começou a vigorar no mês de novembro de 2021 no país.

O programa social substitui o Bolsa Família, e vai beneficiar cerca de 17 milhões de brasileiros, mais que o programa antecessor, que atendia a 14,6 milhões de pessoas.

Além disso, promete um aumento de 20% sobre o benefício que era pago anteriormente.

Com esse valor extra é esperado que mais dinheiro seja injetado na economia, o que oferece também a oportunidade para que mais brasileiros consigam renegociar suas dívidas.

Quer saber mais sobre o Auxílio Brasil, qual o valor e como ele pode ser usado para colocar a vida financeira em dia? Então, continue a leitura!

 

Como funciona o Auxílio Brasil

O Auxílio Brasil é um benefício do Governo Federal que foi aprovado de forma oficial no dia 2 de dezembro de 2021, por meio da Medida Provisória nº 1.061.

Esse novo programa social, de modo geral, segue os mesmos parâmetros do antigo Bolsa Família.

O benefício tem como objetivo ajudar milhões de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza que já faziam parte do Cadastro Único, mais conhecido como CadÚnico, e também do Bolsa Família.

O programa Auxílio Brasil reúne diferentes políticas públicas, que englobam assistência social, emprego, renda, saúde e educação.

 

Número de beneficiários é ampliado

O novo programa do Governo Federal de distribuição de renda vai beneficiar mais de 17 milhões de cidadãos brasileiros.

Com isso, é esperada a diminuição da pobreza no país, ao mesmo tempo em que a economia é fomentada, devido até mesmo ao valor do Auxílio Brasil que é maior —  a média de pagamento aumenta de R$ 192 para R$ 400.

Para você ter uma ideia, o Governo prevê injetar R$ 2,67 bilhões na economia somente no mês de dezembro de 2021.

Isso representa uma ótima oportunidade para milhares de brasileiros renegociarem e quitarem as duas dívidas.

 

Quem tem direito a receber o Auxílio Brasil

De acordo com o Ministério da Cidadania, terão direito a receber o benefício famílias em situação de extrema pobreza e aquelas em situação de pobreza.

Para explicar melhor, as famílias que se enquadram na extrema pobreza são aquelas que possuem renda familiar per capita de zero a R$100,00.

Já as famílias que se enquadram na situação de pobreza são aquelas com renda per capita de R$100,01 a R$200,00.

Além disso, as famílias beneficiárias em situação de pobreza somente poderão receber o valor se forem constituídas por gestantes, nutrizes (mães que amamentam) ou pessoas com idade até 21 (vinte e um) anos incompletos.

E para os beneficiários que já eram assistidos pelo Bolsa Família, estes foram migrados, de forma automática, para o Auxílio Brasil.

Já as famílias inscritas no Cadastro Único, e que não faziam parte do Bolsa Família, entraram em uma lista de espera.

Toda a documentação será analisada e, somente após o parecer final, é que será possível receber o valor do Auxílio Brasil.

 

Quando o novo benefício começou a ser pago

O benefício começou a ser pago em novembro de 2021. Da mesma forma como era realizado no Bolsa Família, o Auxílio Brasil segue calendário conforme o número final do Número de Identificação Social (NIS).

 

Qual a documentação para se inscrever no Auxílio Brasil

Para se inscrever no programa de benefício, é preciso procurar o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) da sua cidade.

Você também pode procurar os postos de atendimento do CadÚnico. Lá, profissionais orientarão quanto à regularização no sistema.

Para se cadastrar, é preciso ter mais de 16 anos e apresentar a documentação a seguir:

  • Carteira de Identidade;
  • CPF;
  • Título de Eleitor;
  • Certidão de nascimento;
  • Certidão de casamento;
  • Carteira de trabalho;
  • Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) para os indígenas.

É preferencial que a mulher chefe da família realize o cadastro para que o governo elenque essa mãe como “Responsável Familiar”.

Esta pessoa também precisa apresentar pelo menos um documento para cada membro da família.

 

Quem já cumpria os requisitos do Bolsa Família recebe automaticamente

Os beneficiários do Bolsa Família migraram de forma automática para o Auxílio Brasil. Vale lembrar que, para receber o benefício, é preciso estar cadastrado no CadÚnico.

É por meio deste sistema que o governo faz as análises necessárias para conceder o benefício.

 

Qual o valor a ser recebido pelo Auxílio Brasil

O novo programa chega com uma boa notícia para os seus beneficiários: um reajuste de 20% nos valores que já são pagos atualmente pelo Bolsa Família.

Portanto, quem recebia R$ 200, por exemplo, passaria a receber R$ 240.

O benefício teve o valor médio de R$ 217,18 no mês de novembro e o valor mínimo de R$ 400 em dezembro.

Mas, o valor individual que cada família irá receber depende de alguns tipos de benefícios que foram separados pelo Governo, como, por exemplo, benefício da primeira infância, benefício de composição familiar, benefício de superação da extrema pobreza, benefício compensatório de transição, dentre outros que você pode conferir aqui.

É importante informar que o pagamento do benefício acontecerá sempre na segunda quinzena do mês e as datas variam de acordo com o número final do NIS (Número de Identificação Social).

 

O que acontece a partir de 2023?

O futuro do Auxílio Brasil ainda é incerto. Se o auxílio temporário que garantirá os R$ 400 não tiver uma nova fonte de recurso, o benefício deve voltar ao valor mínimo.

 

O governo tem dinheiro para pagar os R$ 400 prometidos em 2022?

Por enquanto não há nenhuma garantia de que o valor prometido por Bolsonaro seja pago. O governo tem colocado suas expectativas na aprovação da PEC dos Precatórios que abrirá espaço no orçamento.

Na última terça-feira (9), os deputados da Câmara aprovaram o projeto em segunda votação. O texto será encaminhado agora para o Senado.

 

Entenda o impacto do aumento do Auxílio Brasil para a população

Você sabia que após a extinção do auxílio emergencial, o número de brasileiro endividados voltou a subir?

Isto porque o endividamento da população brasileira é impulsionado por questões como a queda do valor do auxílio emergencial, sua posterior extinção, e o aumento do desemprego.

Para você ter uma ideia, de acordo com dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas, em 2019, antes da pandemia, 10,97% da população recebia menos de R$ 246 por mês.

Com o pagamento do auxílio emergencial, esse número caiu para 4,52%.

Já em fevereiro de 2021, com o fim do benefício, está ainda maior: 12,83%.

Assim, o Auxílio Brasil é uma importante fonte de renda e pode ajudar muitas famílias, inclusive, a quitar dívidas e deixarem seus nomes limpos.

Com o aumento do valor, os beneficiários do novo Bolsa Família poderão se organizar para renegociar débitos e aproveitar melhores opções de pagamento a fim de diminuir o número de dívidas na praça.

É preciso lembrar também que, caso seja possível destinar parte do dinheiro do Auxílio Brasil para quitar dívidas, é importante priorizar oportunidades cujos valores dos juros possam ser negociados.

Se você gostou deste artigo sobre Auxílio Brasil e gostaria de negociar as suas dívidas, entre em contatoe saiba como podemos ajudar!

Você também pode gostar